Sobre

O programa Ciência sem Fronteiras (CsF)

O programa Ciência sem Fronteiras (CsF) é um programa nacional de bolsa de estudos estabelecido pelo Governo do Brasil. É o resultado do esforço compartilhado entre o Ministério da Educação e o Ministério da Ciência e Tecnologia através das agências de financiamento respectivas, ou seja, a Agência Federal de Apoio e Avaliação dos estudos superiores do Brasil (CAPES) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

O principal objetivo do programa é promover a consolidação e expansão da ciência, tecnologia e inovação no Brasil por meio do intercâmbio e da mobilidade internacional de estudantes e pesquisadores dos 3 ciclos universitários.

Lançado em julho de 2011, o programa visa enviar 101 mil estudantes brasileiros para estudar no exterior nas áreas de ciência, tecnologia, engenharia e matemática até 2015. As bolsas são financiadas pelo Governo do Brasil, com o apoio do setor privado.

Site oficial : http://www.cienciasemfronteiras.gov.br/web/csf/home

As divisões acadêmicas no Brasil e no mundo francófono

A divisão acadêmica brasileira não é a mesma que a divisão da Bélgica, Canadá e França, dividid em três ciclos: Licence ou Baccalauréat (licenciatura ou bacharelado) = "Premier cycle", Master ou Maîtrise (mestrado) = "Deuxième cycle", Doctorat (doutorado) = "Troisième cycle".

No Brasil, a Licenciatura e o Bacharelado (especialização, que serve como porta de entrada para o mercado de trabalho) são dois diplomas que podem ser obtidos no mesmo curso, mas na Bélgica, Canadá e França, só existe um tipo de diploma de graduação ("premier cycle"): a "Licence" (França) e o "Baccalauréat" (Bélgica , Canadá).

No Brasil, o Mestrado é um diploma de Pós-Graduação que corresponde aos diplomas de "maîtrise" no Canadá, et de "master" na Bélgica e na França. Eles são obtidos com a defesa de uma “mémoire de recherche” que corresponde à tese mestrado do Brasil (mas a preparação e defesa diferem).

No Brasil, o Doutorado é o segundo diploma de Pós-Graduação (muitas vezes apresentado como “Troisième cycle") e correspondente a um Doctorat na Bélgica, Canadá e França.

Graus acadêmicos
Brasil Bélgica Canadá França
Graduação:
Tecnólogo, Bacharelado, Licenciatura
Título profissional: engenheiro, advogado, jornalista, médico, etc.
Baccalauréat Baccalauréat Licence
Pós-Graduação
Mestrado (Strictu Sensu)

Master, Master complémentaire

Maîtrise Master 1, Master 2
Doutorado (Strictu Sensu) Doctorat Doctorat Doctorat

 

Compromisso da AUF

Com o intuito de valorizar a oferta de formação francófona e favorecer a escolha pelos estudantes das instituições francófonas que responderão às demandas de formação e às exigências do programa, a Agence universitaire de la Francophonie participa da implementação do “Ciência sem fronteiras” colocando à disposição dos estudantes brasileiros um portal composto por dois componentes :

  • Autoformação online em língua francesa : o conteúdo, elaborado por especialistas em francês com foco nos objetivos universitários, é estabelecido progressivamente em uma plataforma interativa de formação. (télécharger le tutoriel en format pdf)
  • Informação tendo por objetivo :
    • Fornecer informações práticas relativas aos quatro países francófonos participantes (Bélgica, Canadá, França e Suíça)
    • Permitir aos estudantes identificar os estabelecimentos francófonos que oferecem um programa de formação nas disciplinas de suas escolhas.

O Comitê Científico de Coordenação Internacional do componente “autoformação em francês online” é constituído pelos professores das seguintes universidades:

  • Selma Alas Martins, Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN (Brasil)
  • Heloísa Albuquerque Costa, Universidade de São Paulo – USP (Brasil)
  • Françoise Bleys, Université de Sherbrooke (Canadá)
  • Catherine Carras, Université Grenoble 3 (França)
  • Olivier Dezutter, Université de Sherbrooke (Canadá)
  • Jean-Marc Mangiante, Université d’Artois (França)
  • Sandra Lopes Monteiro, Universidade Federal do Paraná – UFPR (Brasil)
  • Chantal Parpette, Université Lumière Lyon 2 (França)
  • Marie-Christine Pollet, Université libre de Bruxelles (Bélgica)
  • Maria Cristina Roveri Nagle, Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP (Brasil)

Por que estudar em francês?

Quatro países membros da Organização Internacional da Francofonia (OIF) - Bélgica, Canadá, França e Suíça - assinaram acordos com a CAPES e o CNPq para receber bolsistas do programa brasileiro Ciência sem Fronteiras.

Falado por mais de 220 milhões de pessoas, o francês é, depois do inglês, o idioma mais ensinado em todo o mundo e o número de falantes está aumentando. O francês é falado nos cinco continentes, é uma das línguas oficiais em 32 países e é amplamente falado nos 77 Estados-Membros e regiões da Organização Internacional da Francofonia.

O francês é a língua de trabalho e língua oficial em várias organizações internacionais (ONU, UE, UNESCO, OTAN, etc.) E de várias entidades jurídicas internacionais (incluindo o Tribunal Internacional de Justiça). A fluência em francês é essencial para quem pretende seguir uma carreira em uma organização internacional.

O conhecimento do francês é uma vantagem importante no mercado de trabalho. Mais e mais empresas estão expandindo suas operações para além do seu país de origem, este é o caso de empresas multinacionais francesas, canadenses e belgas em diversas áreas (indústria de varejo, automobilística, de luxo, aeronáutica, etc.). Países em desenvolvimento francófonos também estão a procura de especialistas que falam francês.

O francês é uma língua de uso corrente na internet e mídias sociais. Países francófonos também dispõem de uma densa rede de mídia internacional em francês: TV5, France 24, Radio France Internationale, etc. Compreender o francês permite diversificar as suas fontes de informação.

Tal como o português, o francês é uma língua latina. As raízes comuns de ambas as línguas facilitam a aprendizagem do francês para os lusófonos. O francês é também a fonte de metade do vocabulário atual do inglês, o conhecimento de uma língua e promove o domínio da outra.

O valor dado à língua francesa no cenário internacional é o de posição de prestígio. Frequentemente considerada como a língua da cultura (moda, comida, arquitetura, teatro, música, artes visuais), o francês também é uma linguagem analítica, que estrutura o pensamento e desenvolve o pensamento crítico. O francês é a língua de muitos cientistas e filósofos de ontem e de hoje.

Falar francês te permite viajar para muitos lugares incrivelmente diversos sem ser impedido pela barreira da língua. Do Canadá à Nova Caledônia, passando pelo coração da Europa ao continente africano.

FAQ

 

1. O que é o programa Ciência sem Fronteiras?

Resp. Ciência sem Fronteiras é um programa de mobilidade internacional promovido pelos Ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e do Ministério da Educação (MEC), por meio de suas respectivas instituições de fomento – CNPq e Capes –, e Secretarias de Ensino Superior e de Ensino Tecnológico do MEC para o intercâmbio internacional.

 

2. Quem pode se candidatar ao Programa Ciência sem Fronteiras?

Resp. Alunos de graduação e pós-graduação de universidades brasileiras federais e estaduais e também alunos dos institutos federais.

 

3. Qual o objetivo do programa?

Resp. O projeto prevê a utilização de até 101 mil bolsas de estudo em quatro anos para promover intercâmbio no exterior com a finalidade de manter contato com sistemas educacionais competitivos em relação à tecnologia e inovação. Busca também atrair pesquisadores do exterior que queiram se fixar no Brasil ou estabelecer parcerias com os pesquisadores brasileiros.

 

4. Quais são as áreas contempladas pelo programa Ciência sem Fronteiras?

Resp.

  • Ciências Exatas e da Terra (Matemática, Física, Química, etc)
  • Computação e tecnologias da informação
  • Fármacos
  • Petróleo, Gás e Carvão mineral
  • Tecnologia mineral
  • Nanotecnologia e novos materiais
  • Biodiversidade e bioprospecção
  • Indústria criativa
  • Formação de tecnólogos  
  • Engenharias e demais áreas tecnológicas
  • Biologia, Ciências biomédicas e da saúde
  • Tecnologia aeroespacial
  • Produção agrícola sustentável
  • Energias renováveis
  • Biotecnologia
  • Tecnologias de prevenção e mitigação de desastres naturais
  • Ciências do mar
  • Novas tecnologias de Engenharia Construtiva

 

5. O candidato selecionado recebe uma bolsa de estudos?

Resp. Sim

 

6. Qual a duração da bolsa de estudos?

Resp. 12 meses, podendo estender-se até 18 meses quando o candidato necessitar realizar curso de língua estrangeira no país que for realizar o intercâmbio

 

7. Que tipos de bolsas são oferecidas?

Resp.

 

8. Quais são os requisitos gerais para participar do programa Ciência sem Fronteiras?

Resp.

  • Ser brasileiro ou naturalizado;
  • Estar regularmente matriculado em instituição de ensino superior no Brasil em cursos relacionados às áreas prioritárias do programa Ciência sem Fronteiras;
  • Ter sido classificado com nota do Exame Nacional do Ensino Médio - ENEM - com no mínimo 600 pontos considerando os testes aplicados a partir de 2009;
  • Possuir bom desempenho acadêmico;
  • Ter concluído no mínimo 20% e no máximo 90% do currículo previsto para o curso de graduação.
  • Não ter usufruído de bolsa de graduação sanduíche no exterior, financiada no todo ou em parte, pela CAPES ou pelo CNPq.
  • Comprovar proficiência em uma língua estrangeira.

 

9. Quais são as etapas de inscrição do programa Ciência sem Fronteiras para estudar em países de língua francesa?

Resp. O candidato deve efetuar:

  • Inscrição no processo seletivo interno de sua Instituição de Ensino Superior (IES),
  • Inscrição por meio do Formulário de Inscrições, no Portal do Programa Ciência sem Fronteiras, e enviar a seguinte documentação:
    • Histórico Escolar de Graduação;
    • Comprovante do teste de proficiência de língua francesa
    • Comprovante de Prêmio Jovem Cientista, Iniciação Científica, Olimpíadas da Matemática e/ou de Ciências, ou ainda demais premiações de mérito acadêmico, quando houver. Não são considerados prêmios documentos de participação em eventos científicos ou cursos;
    • Comprovante de participação em programas de iniciação científica, tecnológica ou docência, quando houver.
    • Para os bolsistas que vão à França, ainda é preciso efetuar Inscrição no site Campus France: http://www.bresil.campusfrance.org/

 

10. Em qual formato os documentos devem ser enviados?

Resp. A documentação deve ser anexada no site do programa em formato PDF

 

11. Quais são os prazos de inscrição?

Resp. Consulte o site do Programa Ciência sem Fronteiras http://www.cienciasemfronteiras.gov.br e o edital referente ao país onde deseja estudar

 

12. Como é feita a escolha da universidade de um país francófono onde o candidato vai estudar?

Resp. Caberá à CAPES escolher a universidade de destino do candidato de acordo com:

  • a área de estudo;
  • nível de proficiência exigido pela universidade do país onde o candidato quer estudar;
  • a adequação do período e curso em andamento no Brasil com os períodos e cursos similares ofertados pelas universidades;  
  • acordo de cooperação formal e ativo com a Instituição de Ensino Superior (IES) de vínculo do candidato

 

13. Onde posso obter informações sobre visto de estudante para a França?

Resp. Para obter visto de estudante para a França, é necessário completar um dossiê no site Campus France (http://www.bresil.campusfrance.org/node/6675) antes de ir ao Consulado.  

 

14. Ao participar do programa Ciência sem Fronteiras na França, terei acesso a quais benefícios?

Resp.

  • Bolsa mensal no valor de 870 euros por mês;
  • Auxílio-Instalação no país onde realizará os estudos no valor de 1.320 euros por mês;
  • Auxílio para compra de material didático no valor de 1.000 euros por mês;
  • Passagens aéreas de ida e volta de acordo com as normas estabelecidas pela CAPES e CNPq em classe econômica e profissional;
  • Seguro Saúde no valor de 90 euros por mês.

 

15. O seguro-saúde é obrigatório para a França?

Resp. Sim.

 

16. Onde posso obter informações sobre visto de estudante para o Canadá?

Resp. Para obter visto de estudante para o Canadá, é necessário realizar o pedido a partir das indicações do Governo do Canadá no site http://www.canadainternational.gc.ca/brazil-bresil/visas/study-apply_demande-etude.aspx?lang=por

 

17. Ao participar do programa Ciência sem Fronteiras no Canadá, terei acesso a quais benefícios?

Resp.

  • Mensalidade de bolsa no valor de 984 dólares canadenses por mês;
  • Auxílio-Instalação no valor de 1.476 dólares canadenses por mês;
  • Auxílio material didático no valor de 1.000 dólares canadenses por mês;
  • Auxílio deslocamento de 1.604 dólares americanos.

 

18. O seguro-saúde é obrigatório para o Canadá?

Resp. Sim. Quanto ao Seguro Saúde no Canadá, existem regras diferentes em função do grupo parceiro ao qual sua universidade pertence. No caso das universidades do grupo Canadian Bureau for International Education, o valor é pago diretamente pelo governo. Quanto às universidades do Consórcio das Universidades de Alberta, Laval, Dalhousie e Ottawa (CALDO), o valor é de 1200 dólares canadenses por mês proporcional à duração da bolsa; ou pago diretamente ao parceiro CALDO.

 

19. Onde posso obter informações sobre visto de estudante para a Bélgica?

Resp. Para obter visto de estudante para a Bélgica é preciso fazer o pedido no Consulado da Bélgica em São Paulo. Consulte o site http://www.diplomatie.be/saopaulo/

 

20. Ao participar do programa Ciência sem Fronteiras na Bélgica francófona, terei acesso a quais benefícios?

Resp.

  • Mensalidade de bolsa no valor de 870 euros por mês;
  • Auxílio-Instalação no valor de 1.320 euros por mês;
  • Auxílio material didático no valor de 1.000 euros por mês;
  • Auxílio deslocamento de 1.706 dólares americanos;
  • Seguro Saúde no valor de 1.080 euros por mês, proporcional à bolsa.

 

21. O seguro-saúde é obrigatório para a Bélgica?

Resp. Sim.

 

22. Qual é o certificado de língua francesa que o aluno/candidato ao programa Ciência sem Fronteiras deve apresentar?

Resp. No Canadá, na Bélgica e na França, o candidato deve apresentar teste de proficiência no idioma francês, a saber:

  • Proficiência emitida pela Aliança Francesa (instituição reconhecida pela CAPES)
  • Diploma - DELF (Diplôme d’Études en Langue Française).
  • Diploma DALF (Diplôme Approfondi de Langue Française)
  • Na França, além dos certificados citados anteriormente, é aceito o TCF: Test de Connaissance du Français.
  • No Canadá, além dos certificados citados anteriormente, é aceito o TFI (Test de Français International).  

 

23. Qual é o nível de conhecimentos em língua francesa exigido pelo programa Ciência sem Fronteiras?

Resp. nível B2

 

24. Onde é possível obter um certificado de língua francesa?

Resp. Em algumas unidades da Aliança Francesa são oferecidos testes para o DELF – Diplôme d'Études en Langue Française (Diploma de Estudos em Língua Francesa) e o DALF - Diplôme Approfondi de Langue Française (Diploma Aprofundado de Língua Francesa) e o TCF – Test de Connaissance du Français (Teste de Conhecimento do Francês).

 

25. Em quais datas os testes de língua francesa são aplicados?

Resp. Os testes mencionados acima são aplicados em datas específicas de acordo com o calendário estabelecido nas unidades da Aliança Francesa. Para mais informações é possível acessar o site: http://www.aliancafrancesabrasil.com.br/index.php/diplomas-e-certificados/

 

26. Qual é o nível de conhecimento de língua francesa exigido na França?

Resp. O candidato deve apresentar teste de proficiência no idioma aceito pela instituição de destino, o que pode variar de uma universidade para a outra na França. Em regra geral, o candidato deve apresentar teste de proficiência da Aliança Francesa (mínimo de 70 pontos) ou DELF (mínimo B2) ou TCF (mínimo B2) ou DALF.

 

27. Qual é o nível de conhecimento de língua francesa exigido no Canadá?

Resp. No caso das universidades de língua francesa do CBIE (Canadian Bureau for International Education), o candidato deve apresentar teste de proficiência em língua francesa - certificado da Aliança Francesa (mínimo de 70 pontos) ou diploma DALF (Diplôme Approfondi de Langue Française) ou DELF (Diplôme d'Études en Langue Française) - nível mínimo B2

 

28. Qual é o nível de conhecimento de língua francesa exigido na Bélgica?

Resp. O candidato deve apresentar teste de proficiência em língua francesa DELF (mínimo = B1), TCF (mínimo = B1) ou DALF (mínimo = B1).

 

29. Os certificados ou diplomas de língua francesa têm validade de quanto tempo?

Resp. Os certificados aceitos pela CAPES têm validade de 1 ano  

 

30. Há cursos de língua francesa a distância que preparam os alunos para o Programa Ciência sem Fronteiras? Se sim, qual é o endereço na internet?

Resp. Consulte o portal "Estudar em francofonia/Etudier en Francophonie".

 

31. O que é o Portal "Estudar em francofonia/Etudier en Francophonie”?

Resp. É um portal de informações e formação em língua francesa situado no site da AUF – Agência Universitária da Francofonia (www.auf.org). 

 

Início da página